A diferença entre nascer e ser arrancado

A discussão acerca das diversas modalidades de parto a disposição das gestantes hoje em dia é acalorada e aparentemente interminável. Porém, apenas uma pergunta deve ser respondida na hora de escolher o método: é saudável para a mãe e para o bebê?

Costumo dizer que o melhor parto é o que mãe e filho saem saudáveis do procedimento. Não importa se é dentro de um hospital, dentro de uma banheira ou no meio do feno em um celeiro abandonado. O melhor jeito de dar a luz a uma criança é o que permita que a gestante e sua cria tenham o menor risco possível. A saúde vem sempre em primeiro lugar.

As maternidades do Brasil viraram uma espécie de açougue gigante. E a culpa pelo absurdo número de cesáreas praticadas em nossos hospitais públicos ou privados é de todos os envolvidos no processo. Hospitais, médicos e gestantes compartilham o “mérito” por esse número assombroso.

No Brasil, 52% dos partos em rede pública são cesáreas, ao passo que o número chega a 88% na rede privada. Nascer virou uma festa com data marcada. A maior preocupação é com os doces e a organização da mesa do quarto, do que com o momento em que o bebê avisa “quero nascer”.

Até onde meu conhecimento permite opinar, na rede pública a recomendação é sempre que se busque o parto normal. Ele é melhor para mãe e filho por N motivos, mas principalmente porque é o caminho natural para o processo. Além disso, a recuperação e a alta dos dois é muito mais rápida nesse caso. Na rede privada, a coisa muda de figura.

Os médicos

Hoje é difícil encontrar um(a) obstetra de confiança que aceite realizar partos normais. A grande maioria se recusa, pois o procedimento pode levar muitas horas (entre o início das contrações e o nascimento de Tomaz, foram 17h). Como a saúde pública no Brasil é caótica, muita gente recorre aos planos de saúde, que pagam valores ridículos pelos procedimentos, fazendo com que os médicos se recusem a trabalhar dessa forma. A maioria dos médicos que trabalham com planos de saúde só o fazem em caso de cesárea, pois o valor recebido é o mesmo e o procedimento é muito mais rápido. Outros optam por realizar partos normais, mas sempre de modo particular, o que eleva muito o valor do procedimento e poucos são os que podem se dar a esse luxo.

Os hospitais

Muitos hospitais privilegiam (mesmo que de forma velada) as cesáreas, pois ocupam suas salas por menos tempo. É quase que uma produção em série de bebês. Unindo médicos mal remunerados com a vontade de faturar dos hospitais particulares, temos a combinação perfeita para tantas cesáreas na rede particular.

As mães

Atualmente, a grande maioria das gestantes opta por realizar o procedimento cirúrgico. A grande festa do nascimento do tão esperado filho tem data e hora marcada, assim todos podem se preparar com antecedência. Já vi casos de mães querendo marcar a cesárea 4 meses antes do nascimento previsto. Há ainda os casos mais esdrúxulos de mães que antecipam o nascimento do filho pra escolher o SIGNO da criança. São situações que nos fazem duvidar seriamente da humanidade. Entre as desculpas para isso, estão:

  • O parto é muito doloroso
  • Demora demais
  • A cesárea é mais segura
  • Hoje em dia, a mulher se recupera muito rápido da cesárea

Para um homem é fácil falar sobre a dor do parto, já que pra nós é impossível senti-la. Mas falo como marido e pai, que esteve presente nos dois nascimentos e acompanhou tudo de perto. O que posso perceber é que a dor do parto é um momento sublime para a mãe, o ápice de todo o processo que começa na gestação e termina no nascimento da criança. A impressão que tive acompanhando o parto normal de Tomaz é que todo o esforço feito pela minha esposa cria imediatamente um laço entre mãe e filho. Não que na cesárea isso não aconteça, mas no parto normal tanto a mãe quanto o filho estão fazendo um esforço enorme, é um trabalho em conjunto entre duas vidas que estarão conectadas para sempre. É um momento absolutamente lindo.

Quanto a demora, o que são algumas horas para quem esperou 9 meses? Eu sei que a ansiedade é enorme, o pai também fica extremamente ansioso justamente por não poder participar muito do processo, mas a espera valerá a pena, eu garanto.

Sobre a cesárea ser um procedimento mais seguro e garantido, isso é uma bobagem sem tamanho. Em primeiro lugar, apesar do baixo risco estatístico, a cesárea é uma cirurgia e como qualquer cirurgia tem seus riscos. Além disso, a mulher ganha uma bela cicatriz na barriga e um caminhão de pontos que a farão ficar num longo processo de recuperação nos próximos meses. É óbvio que a cirurgia hoje é mais eficiente que antigamente, mas a recuperação do parto normal comparada a da cesárea é infinitamente menos dolorosa e mais rápida.

Com isso eu quero dizer que a cesárea deve ser banida? Isso é uma cruzada natureba contra a cesárea? Mães que tem seus filhos através de cesárea são menos mães do que as outras? Nada disso. Conforme falei antes, o melhor parto é o que mãe e filho saem saudáveis do procedimento. O grande problema é que a ESCOLHA está sendo negada em alguns casos, ou está faltando orientação e incentivo ao parto normal em outros casos. Os problemas são generalizados e causam esse cenário onde as crianças não mais nascem, elas são “arrancadas” do útero de suas mães.

E você, como pai e marido, qual o seu papel nisso tudo? A escolha é só da mulher ou podemos participar de alguma forma nisso? Você não só pode como DEVE participar ativamente de todo o processo. Se informe sobre todos os procedimentos, converse com sua mulher sobre as opções, entenda as escolhas dela e esteja preparado para apoiá-la na sua decisão.

A cesárea é extremamente importante em diversos casos onde o parto normal pode trazer riscos a mãe e ao bebê. É um avanço enorme provido pela medicina que já salvou milhares de vidas em casos de gravidez de risco. Porém, a forma como ela está sendo utilizada no Brasil é preocupante e lamentável.

Devemos ao máximo permitir que as crianças nasçam, ao invés de serem praticamente despejadas de sua primeira e mais importante moradia: o útero da mãe.

tomaz-normal

Comentários

comentários

Comments (5)
  1. Heitor Moraes 05/08/2014
    • Marcel 09/08/2014
    • Gabriela 15/08/2014
  2. Anônima 05/08/2014
  3. Everton Amaral 06/08/2014

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *